Agosto 22 2022 0Comentário

A História de Angola

Situada na costa ocidental de África, Angola é um país extremamente jovem. Devido à sua localização, está em debate se pertence à África Central ou Austral. É o sétimo maior país do continente e o segundo maior país de língua portuguesa do mundo. Tem também uma das economias de crescimento mais rápido do mundo. Isto deve-se em grande parte às suas consideráveis reservas minerais e petrolíferas, que têm vindo a atrair a atenção de todo o globo. Então, como é que este país jovem e único chegou a ser o que é hoje? Aqui está um pouco sobre a história de Angola.

 

A Guerra Angolana pela Independência

A área que acabou por se tornar Angola tem sido povoada desde a Era Paleolítica. No entanto, o próprio país só existe há algumas décadas. A área era originalmente colonizada por forças portuguesas no século XVI e funcionou como posto de comércio de escravos durante quase 300 anos. O colonizador Paulo Dias de Novais fundou São Paulo de Luanda, hoje conhecida como a capital de Luanda, em 1575.

Em meados do século XX, o sentimento anti-Portugal tinha atingido o seu ponto mais alto de sempre. Um factor importante neste contexto foi a procura angolana de autodeterminação. Com a recusa de Portugal em abordar a questão, isto acabou por conduzir à Guerra Angolana pela Independência. Esta guerra durou 13 anos, de 4 de Fevereiro de 1961 a 25 de Abril de 1974.

Três movimentos nacionalistas distintos tinham surgido no país. Todos eles eram apoiados por diferentes partidos de todo o mundo. A União Soviética e Cuba simpatizaram e apoiaram a Movimento Popular Marxista-Leninista para a Libertação de Angola. Forneceram ao MPLA financiamento, armas e formação.

A Frente Nacional para a Libertação de Angola, ou FNLA, teve o apoio do Zaire, agora conhecida como República Democrática do Congo. A República Democrática do Congo forneceu à FNLA refugiados Bakongo. Os exilados angolanos conseguiram estabelecer uma comunidade de indivíduos com os mesmos interesses, ansiosos por regressar ao seu país de origem.

Os Estados Unidos e a África do Sul apoiaram o grupo insurrecto anticomunista UNITA, ou a União Nacional para a Independência Total de Angola. Durante a Guerra pela Independência, a UNITA também recebeu ajuda militar da República Popular da China.

A Guerra Civil Angolana

Embora o cessar-fogo de 25 de Abril tenha terminado a maior parte dos combates, só em Janeiro de 1975 é que a Guerra Angolana pela Independência foi oficialmente terminada. O governo português, juntamente com as três fações acima mencionadas, assinou os Acordos de Alvor, que deram a Angola a sua independência. Agostinho Neto, o líder do MPLA, foi nomeado o primeiro presidente de Angola. Em 1979, Neto morreu durante uma cirurgia relacionada com o cancro pancreático. Foi sucedido por José Eduardo dos Santos.

Infelizmente, a navegação não foi suave. Enquanto o Acordo de Alvor apelava a um governo de transição composto por representantes das quatro partes, este governo desmoronou-se rapidamente. O MPLA, com o apoio de Cuba, do Brasil e da União Soviética, expulsou rapidamente a FNLA de Angola. Os antigos aliados da UNITA sofreram uma série de contratempos e desintegraram-se totalmente em 1983. Isto deixou o MPLA, e a UNITA a lutar pelo controlo da nova nação independente.

Os Resultados da Guerra

Embora a guerra civil tenha durado oficialmente mais de 26 anos, houve períodos de paz espalhados por todo o lado, embora dificilmente estivessem estáveis. Quando a guerra terminou em 2002, cerca de 500.000 a 800.000 pessoas tinham morrido como resultado. De facto, o número de mortos continua a aumentar até hoje, devido às minas terrestres ainda ativas espalhadas por todo o país. Desde 2018, 156 civis morreram devido a minas terrestres ou outros explosivos remanescentes da guerra.

Um terço da população de Angola foi deslocada devido à guerra. Um estudo da ONU mostrou que, em 2003, 60% dos angolanos não tinham acesso à água, 80% não tinham acesso a cuidados médicos básicos, e 30% das crianças angolanas não viveriam para além dos cinco anos de idade. Na altura, a esperança média de vida das pessoas que viviam no país era menos de 40 anos de idade. Isto resultou no afastamento de muitas pessoas das zonas rurais a que os seus grupos étnicos específicos estavam habituados em busca de melhores recursos nas cidades. É por isso que, hoje em dia, mais de metade da população do país reside nas grandes cidades.

 

1992 Eleição e o Massacre de Halloween

Em 1992, Angola realizou as suas primeiras eleições livres e multipartidárias de sempre. A afluência às urnas nas eleições presidenciais foi espantosa: 91,2%. O titular do MPLA, José Eduardo dos Santos, derrotou o candidato nomeado pela UNITA, Jonas Savimbi 49,56% a 40,07%. A UNITA não aceitou os resultados, alegando que a eleição estava viciada.

A UNITA tentou entrar em negociações após os resultados das eleições. Ao mesmo tempo, prepararam-se para retomar a guerra civil, quebrando os Acordos de Bicesse no processo. A situação tensa tornou-se hostil em Luanda e milhares de membros e apoiantes da UNITA foram mortos numa questão de dias. O evento, conhecido como o Massacre de Halloween, reivindicou a vida do Vice-Presidente da UNITA Jeremias Chitunda. O número oficial de mortos é desconhecido, havendo quem acredite que chegou a ser de 30.000.

Angola Reconstrói

Depois da guerra civil ter terminado oficialmente em 2002, os esforços de reconstrução começaram quase imediatamente. O governo angolano gastou 187 milhões de dólares a resolver os deslocados pela guerra e o banco mundial doou mais 33 milhões de dólares para esse esforço. Entretanto, o HALO Trust (Hazardous Area Life-support Organization) continuou a desminar a área, um processo que começou já em 1994. Em meados de 2007, tinham destruído com sucesso 30.000 minas terrestres. A organização emprega mais de 1.100 angolanos.

Este foi apenas o início de um período de paz que continua em Angola até aos dias de hoje, à medida que o país continua a ascender a uma potência global.

 

Santos Desce

Em 2017, após um reinado presidencial de 38 anos, José Eduardo dos Santos demitiu-se e foi sucedido por João Lourenco. Lourenco serviu anteriormente como Ministro da Defesa Nacional e foi escolhido a dedo por Santos para o substituir como Presidente quando o MPLA obteve o maior número de votos nas eleições de 2017.

A história de Angola está cheia de histórias, o país percorreu um longo caminho na sua jovem vida, e embora ainda tenha um caminho a percorrer, a nação orgulha-se de ter mais paz e estabilidade do que nunca.

erez

Escrever uma Resposta ou Comentário